sábado, 21 de junho de 2008

Ciclo surrealista- Esferográfica sobre papel/ 2005/ 29 x 42 cm


Tendências enraizadas- Esferográfica sobre papel / 2005/ 21 x 30 cm

Ciclo surrealista de tendências enraizadas, ainda existentes nos dias de hoje, na mente putrefacta da população, que não se apercebe da necessidade de despertar, para a evolução, do pensamento e da atitude das espécies.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Sociedade monstro- Esferográfica sobre papel/ 2006/ 103 x 65 cm

Esse enorme aglomerado de seres humanos, administrados, por regras e leis, da qual todos nós fazemos parte. Embora a mesquinhez da sociedade não valorize todas as pessoas. A sociedade negligencia todos os seres que não se enquadrem no estigma criado por ela própria. O estigma da PERFEIÇÃO.
Vegeta- Esferográfica sobre papel/ 2005/ 29 x 42 cm

O mar de rosas seria o ideal mas... há quase sempre um MAS. O infinito mar das nossas preocupações, o constante dilema do ser e do ter. Vagueia-mos pela nossa vida , numa república dissimulada de ditadura. Sobrecarregados de obediências e obrigações, onde a cada dia que passa, aumenta a nossa presbitia. A ilusão da vida perfeita é uma constante mutação, na qual nós somos um simples ser, fatalmente submissos a vegetar.

terça-feira, 17 de junho de 2008

Coito solitário do tempo- Esferográfica sobre papel/ 2005 / 21 x 30 cm


O tempo no coito- Esferográfica sobre papel/ 2005/ 29 x 42 cm


Conflitos temporais- Esferográfica sobre papel/ 2006/ 8 x 40 cm

O tempo, que nada muda, que só acelera as coisas, ele que causa batalhas ideológicas e o intimo envolvimento, assumido com a evolução. O tempo que sempre estará presente no ontem, hoje e no amanhã.

Insensível- Esferográfica sobre papel/ 2002/ 29 x 42 cm



Modelo sem preconceito- Esferográfica sobre papel / 2006/ 42 x 29 cm

Os seres de invólucro fascinante, vazios de qualquer tipo de beleza interior, donos de desertos de sentimentos, metamorfoseados em futeis, especimes a abarrotar, de moribundos momentos de afectos sem nexo.

Aborto filosófico- Esferográfica sobre papel/ 2000/ 21 x 30 cm


Aborto 1- Esferográfica sobre papel/ 2005/ 30 x 21 cm


Aborto 2- Esferográfica sobre papel/ 2007/ 29 x 42 cm

Aborto, será que não nos, apercebemos deste nosso acto, permanente e persistente. O malograr de ideias, projectos, atitudes, sonhos e vontades, este nosso acto que quase nos é banal, que quase incongnitamente, nos acompanhará até ao fim dos nossos dias.

Caminhos obstruídos- Esferográfica sobre papel/ 2003/ 42 x 29 cm

Caminhos obstruídos, que nos surgem nos trilhos da nossa existência, por vezes com a impossibilidade de serem transpostos, apesar de serem muitas as portas fechadas, para as oportunidades, existirão muitas mais, janelas abertas para a realização da submissão.

FACES E ROSTOS - Tintas sobre papel/ 1996/ 42 x 29 cm

Faces e rostos expostos, á impiedade do tempo, á mercê da sentença dos olhares das pessoas, que nos observam, com o interesse de quem observa um demente. Esses observadores com cara de dó e piedade dão me NÁUSEAS.

Penso no meu trabalho como o desabafo dos momentos vividos na vida quotidiana, ilusão, sentimentos, sonhos e desilusões, onde vegetamos entre personalidades subtis de sorrisos fictícios, rodeados de obrigações e obediências aprisionados na constante luta pela felicidade na perfeita, imperfeição da vida