terça-feira, 17 de junho de 2008

Penso no meu trabalho como o desabafo dos momentos vividos na vida quotidiana, ilusão, sentimentos, sonhos e desilusões, onde vegetamos entre personalidades subtis de sorrisos fictícios, rodeados de obrigações e obediências aprisionados na constante luta pela felicidade na perfeita, imperfeição da vida

2 comentários:

Maíra Motta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maíra Motta disse...

É esta vida quem te faz faz ser quem tu és! Percebe como os contrários estão a todo momento a surgir um do outro?!Em um ciclo onde tudo brota e surge. Fazendo emergir de tantas coisas más, tristes e feias;o bom, o alegre e o belo!Precisamos antes; conhecer o mal para sermos capazes de sentir o bem,termos visto o feio para podermos nos admirar com o belo!
Beijo menino lindo!